Ser ou não ser a diferença?

24 06 2009

mudancaSemana passada eu estava realmente irritado com o mundo (com a sociedade brasileira, pra ser mais exato) e então resolvi refletir sobre a situação e sobre minhas atitudes para melhorá-la. Afinal, não existe nada de errado em não estar satisfeito com uma situação, só não podemos deixar de nos perguntar o que estamos fazendo para mudá-la. 

 Meu balanço:

 – Não gosto de gente burra: Tô me instruindo! E incentivo os que estão perto a fazerem o mesmo!

– Não gosto de assassinatos na parada gay: Não participo e incentivo a não participarem.

– Não gosto de políticos corruptos: Não voto neles. (Em quem eu voto? Use sua imaginação…)

– Não gosto do Super Pop: Assisto a TV Escola (aproveito e me instruo).

– Não gosto de teorias sobre o fim do mundo: Sou agnóstico.

– Não gosto da cultura machista: Incentivo a Tati a não passar as camisas sociais do marido.

– Não gosto de gente que joga lixo no chão: Não jogo lixo no chão. E incentivo quem está perto a fazer o mesmo.

– Não gosto do preconceito contra gays: Finjo que sou heterossexual.

 Como dá trabalho mudar o mundo!

E você, o quê está fazendo para me ajudar?

– Não gosto de pessoas que não me ajudam a mudar o mundo!





Ser ou não ser brasileiro?

18 06 2009

para o blog

Adorei o último post da Tati (‘Amélia é que era uma fdp’)! Sabe que o texto ‘Machismo na França’ da nossa correspondente venenosa, Amanda, também me deixou puto? Li esse post à noite e passei o dia inteiro seguinte pensando no que ela escreveu, não só sobre as pessoas dividirem tarefas domésticas, mas sobre os valores que essas civilizações mais desenvolvidas têm (não trair, não dar cantadas grotescas) que nós não temos. Quando eu penso nisso me dá vergonha de ser brasileiro…

Tô puto também com o que aconteceu na parada gay! Não que eu goste da parada em si, não tenho uma opinião formada sobre o assunto, mas explodir bombas ou quase matar um cara a chutes é muita ignorância! Se você não gosta de gays, pelo menos pense no dinheiro que eles estão deixando na tua cidade!

E naquela mesma noite, a TV estava ligada no programa Super Pop (écowpt!) e acabei assistindo a uma discussão sobre o fim do mundo em 2012. Eu parei para ver os absurdos que o povo dizia e o que mais me impressionou foi que o entrevistado, um cético que questionava o que estavam dizendo, foi “detonado“. Eu fiquei puto! Pessoas falando absurdos sem nenhum fundamento científico sendo aplaudidas enquanto um cara realista era vaiado e chamado de mal-educado pela apresentadora? Hello-ôw!!!! O Brasil definitivamente merece ser o que é…

Nossa como eu tô puto! Quero ir embora!