Ser ou não ser gaúcho?

21 01 2010

Pergunte a um gaúcho se ele tem orgulho de ser brasileiro e ele provavelmente te responderá: “Eu tenho orgulho de ser gaúcho!” Não vou discorrer sobre eles estarem certos ou não em pensarem dessa maneira, mas a verdade é que eles têm história e, mais que isso, a valorizam. A maioria dos heróis brasileiros e seus atos foram forjados (Tiradentes ou o grito da independência, por exemplo), o mesmo não se pode dizer dos heróis gaúchos.

Mas, independente desse bairrismo tão acentuado nesse estado, a forma como o povo gaúcho recebe os visitantes é incrível. Extremamente amistosos e cordiais, são simpáticos até quando você para na rua pra pedir informações. Outra característica que chama a atenção é a beleza das pessoas. O Rio Grande do Sul é o estado com a maior concentração de pessoas bonitas que eu já vi. Bonitos e simpáticos, quer algo mais? Eu te dou algo mais: são extremamente cultos. O que não é de se espantar, uma vez que eles conhecem muito bem a própria história e se orgulham disso.

A cidade mais antiga do Rio Grande do Sul é chamada de Rio Grande. Fica bem ao sul (na pontinha do “rabo” do estado). É uma cidade que, em alguns aspectos, pode parecer feia mas, acredite, é um lugar que vale a pena ser visitado. Se não pela arquitetura, pela praia do Cassino (a maior praia do mundo). Do centro você também pode pegar uma lotação que atravessa a Lagoa dos Patos por uma balsa e te leva do outro lado por pouco mais de dois reais. E do outro lado você encontra vários restaurantes com comida bem em conta. Outra cidade bem interessante é Bento Gonçalves. É uma cidade de porte médio onde a cultura italiana é bastante forte. Além de todos os atrativos turísticos, a cidade fica em uma região muito bonita na serra gaúcha. As paisagens são incríveis! Uma atração de Bento Gonçalves é o passeio de Maria Fumaça que passa por Garibaldi e Carlos Barbosa. Indispensável! Se isso ainda não te interessou, talvez os melhores vinhos do país te interessem. E o legal é que você pode visitar as vinícolas da região e, de quebra, experimentar (“de grátis”) os vinhos lá produzidos. Duvido que você saia de lá sem levar algumas garrafas (o preço é tão baixo que seria uma afronta não levar). E quem gosta de história não pode deixar de conhecer a região dos Sete Povos das Missões, no extremo oeste do estado. Uma região que demorou a se consolidar como território de Portugal e que abrigou reduções de indígenas que fugiram do Paraná quando os bandeirantes, em busca de índios para escravizar, destruíram as reduções paranaenses. Fotos nas ruínas de São Miguel ficariam ótimas no álbum do orkut.

Uma curiosidade que interessa à comunidade GLS e que poucas pessoas sabem é que desde 2004 os cartórios do Rio Grande do Sul podem registrar a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Na realidade esse registro só pode ser feito se for comprovada que a relação já existe há algum tempo, mas isso não tira o mérito dos gaúchos, não é mesmo?

Se você quer conhecer um pouco mais sobre esse povo e sua história, tente ler “O Uraguai” de Basílio da Gama (leitura difícil que narra os conflitos da região de Sete Povos das Missões) ou “A Casa das Sete Mulheres” que foi escrito pela gaúcha Letícia Wierzchowski e que ganhou uma adaptação para TV em 2003. A história da Revolução Farroupilha certamente foi uma das melhores produções da Rede Globo, embora tenha pecado por modificar alguns fatos históricos na tentativa de agradar ao público. De toda maneira, não deixe de vistar o Rio Grande do Sul quando tiver oportunidade, garanto que você não se arrependerá!





Ser ou não ser manipulado?

29 09 2009

no-limite2– Você ganhou 500 mil reais!!!

– É…

– Você é a grande vencedora!!!

– É…

– Aproveite, a festa é pra você!!!

– É…

 

Tirando alguns seriados, o único programa de TV que eu assistia era “No Limite”. Nunca fui muito fã das loiras e morenas peitudas gostosas acéfalas futuras capas da Playboy que colocam em Big Brother e similares, mas se tem um reality show que me seduz é o “No Limite”. Desde a primeira edição e das suas seqüências que não foram tão bem-sucedidas, sempre reservei uma fração do meu precioso tempo pra sentar na frente da TV e ver aquele povo sofrer em um lugar que todos chamam de paraíso. E esta última edição foi excelente! Zeca Camargo ganhou peso e deixou de ser aquele repórter lindo e cheio de outros adjetivos com conotação sexual que eu vou suprimir aqui, mas continua sendo o apresentador perfeito para o programa. Entretanto, o que realmente me divertia eram os “personagens” desta edição. O meu favorito eu elegi logo na segunda semana: Osmar. Além de ser do sul ele tinha um ar de cara sério e responsável que eu gostava. Mas o cara gostava de chorar, hein? Nem parecia homem! Mesmo assim foi pra ele a minha torcida até a reta final. Tinha também o Rafão, o cara pra quem força física era tudo. Sempre tentando tirar os menos dotados de massa muscular, conseguiu manipular bem o jogo até certo ponto, mas quem acompanhou o programa sabe que o maior lambão da equipe era ele… E o Marcelo? O gaúcho xucro pra quem a vida tem que ser dura e sem luxos. Ele me lembrava bastante os meus familiares do interior do Rio Grande do Sul que nunca perdem a chance de tirar com a minha cara por eu ter as mãos “macias e sem calos”. Conseguem fazer eu me sentir gay mesmo de boca fechada… E a Sandi? Outra gaúcha que roubou a cena! Adorei ela! Uma articuladora inteligente, fria e sem escrúpulos. Se ela for assim na sua profissão com certeza é a advogada que eu gostaria de ter!

Esses foram alguns dos que mais me chamaram a atenção, a maioria sempre é meio sem cor, mas, entre os participantes sem graça, uma que me surpreendeu foi a “grande vencedora”. Será que aquilo foi excesso de botóx? Alguém já viu algum tipo de expressão facial naquela mulher? E aquela letargia toda nas palavras e nos movimentos como se tivesse tomado “um quartinho de Lexotan”? E o “jogo de coitadismo”? (excelente colocação da Índia) Esse povo que parece inofensivo é sempre capaz de surpreender… E eu? Eu sou só mais um espectador sádico que é manipulado enquanto se diverte com o sofrimento dos outros…