Ser ou não ser romântico?

16 11 2009

homem_floresÉ tudo pelo sexo! Não importa o que você pense ou fale, nenhum argumento será capaz de mudar a realidade: no final das contas, só o que importa é o sexo. Então, já que é assim, pra quê perder tempo com a troca de olhares, a cantada, a conversa, a sedução e toda aquela formalidade que normalmente cumprimos antes do “acasalamento”? A resposta deve ser bastante simples: faz parte da nossa natureza, todos os animais têm seus rituais de cópula. Sendo assim, por que seria diferente com os humanos? Outra resposta simples: porque somos evoluídos, racionais e vivemos em um mundo onde ninguém tem tempo a perder.

Entretanto, por mais racional que o “ir direto ao que interessa” possa parecer, as coisas nem sempre acontecem assim e, quando acontecem, costumam deixar aquela sensação de que faltou alguma coisa. Acho que isso deve ser cultural. É nisso que dá passar a infância e a pré-adolescência vendo filmes onde só o amor conquista tudo. E, (in)felizmente, uma vez contaminado com essa idéia, você terá que aprender a conviver com ela.

Por evitar contatos sexuais imediatos, eu acabo sempre me envolvendo com românticos (e românticas) incorrigíveis. Mas, por mais encantador, bonito e digno de cenas de filme que nossos encontros possam ser, depois de algumas semanas o negócio começa a incomodar. Mel demais, sentimentalismo demais, felicidade demais… Planos de um futuro maravilhoso que aponta no horizonte justamente na hora em que o pôr-do-sol se mostra, como você nunca viu, em lindas nuances de lilás e violeta.  Pra piorar você descobre que é a causa da felicidade da outra pessoa. Como se você fosse uma espécie de herói medieval com capa e espada (!) montado em um cavalo com armadura, pronto para salvar a outra pessoa de tudo o que há de ruim no mundo. Pior que isso? Só mesmo quando você recebe flores… Aí o negócio já era! Ok mulheres, eu sei que vocês adoram receber flores, principalmente quando vocês estão junto com as amigas e aquele buquê de rosas vermelhas cintilantes chega de surpresa, mas poucas coisas nesse mundo me são mais broxantes desanimadoras do que receber flores… É gay demais! Homem não pode dar flor pra homem! Tem que dar ingressos pro GP de Interlagos! Pra não dizer que só homens aprontaram essa comigo… Teve uma guria também. Ela foi mais esperta, mandou chocolate junto. Eu, que ainda nem tinha ficado com ela, dei um jeito de programar algo a dois no final de semana que se seguiu. [Sim gurias, atitude funciona, mas não com todos (alguns semi-neandertais não gostam de mulher tomando atitude)]. O problema é que eu já era o herói dela mesmo antes de descer do cavalo.

Depois das flores (ou do pôr-do-sol bonito), quando faz bastante tempo que você está saindo com a pessoa, mas faz pouco tempo que tem relações sexuais com ela, como fazer pra dizer que você não está gostando da relação sem parecer que você fez tudo somente pelo sexo? Dependendo do seu poder de persuasão você até pode conseguir, mas, apesar de todas as suas boas intenções, no final, não importa o que você fale ou pense, mesmo que apenas inconscientemente, tudo foi pelo sexo!

Anúncios




Ser ou não ser feliz?

2 07 2009

feliz?Fato: eu sou feliz! Gosto dessa condição, sei que a mereço e pretendo continuar assim por muito tempo. Contudo, a felicidade, eventualmente, pode ser bastante chata. Principalmente quando você não apenas É feliz, mas ESTÁ feliz.

Sabe aquelas pessoas que ficam sorrindo o tempo todo, falam com voz quase musical e pregam que tudo no mundo é maravilhoso? Essas pessoas não são detestáveis? Pessoas felizes demais me incomodam.

E o problema de hoje (que já vem se arrastando por alguns dias) é que estou me sentindo feliz demais… Isso me irrita! E não é porque eu sou daqueles que adoram se lamuriar e mostrar como tudo dá errado na minha vida  pra fazer todos terem pena de mim (aliás, outro tipo de pessoa detestável). É irritante me sentir feliz porque eu fico completamente improdutivo, afinal, pra quê me esforçar pra ter uma vida melhor se eu já sou feliz? Por que eu ficaria horas estudando pra poder fazer algo que melhore o mundo se o mundo já é maravilhoso? Até meu sarcasmo e meu cinismo desaparecem! Fico compreensivo: aceito que pessoas burras são fruto de uma sociedade que ainda não chegou no seu estágio máximo de evolução, mas que caminha pra isso, e, por fazer parte dessa transformação, me sinto um privilegiado por viver nesta época. Meu senso estético (que já não é grande coisa) desaparece completamente: acho tudo bonito. E nesse achar tudo bonito é que mora o perigo:  “Você lembra por que eu não queria sair com ele? Ah, sim… Porque ele não me atrai. Mas ele fica tão bonitinho com roupas de inverno…”

Preciso de um inibidor de serotonina!!! Ou de alguém que me provoque, me desafie, me mostre que o mundo não é tão maravilhoso quanto eu estou pensando que ele é. Porque eu sei que ele não é, mas felicidade é emoção e com emoções não adianta ser racional.