Ser ou não ser do país dos contrastes?

7 10 2009

rio_2016O Brasil realmente é um país estranho… Ou eu é que sou um brasileiro estranho… Acho que nenhum outro país seria capaz de, no mesmo dia, me fazer sentir vergonha e orgulho da minha terra.

A semana passada foi uma dessas semanas em que meus sentimentos patrióticos foram levados aos seus extremos (tanto negativos, quanto positivos). Primeiro foi com a prova do ENEM e o fiasco da falta de segurança para a estreia de um novo sistema de ingresso às universidades que promete substituir o vestibular. Mas, se de um lado minha indignação era total; de outro, eu pensei sobre como foi bom o fato vir a público e como o ministro da educação agiu de maneira rápida e correta pra evitar maiores danos. Algumas décadas atrás seria tudo abafado e, se algum jornalista metido a besta ameaçasse denunciar, certamente sofreria um acidente fatal… É claro que o mérito nessa história toda é dessa classe de profissionais chatos que vivem importunando todo mundo e que (apesar de ainda sofrerem com a censura) são grandes responsáveis por este país estar se tornando um lugar sério.

E quando minha vergonha de viver em um país que não consegue dar segurança adequada nem para o primeiro ato da grande revolução da educação estava quase desaparecendo, um tiozinho lá na Dinamarca abre um envelope e pronuncia, com aquele sotaque gringo super divertido: “Rio de Janeiro”. Como não me sentir orgulhoso por viver no país onde fica a Cidade Maravilhosa? Que o Rio de Janeiro merecia isso ninguém discute: praias, Cristo Redentor, Pão-de-açúcar e eu vou parar de listar esses pontos turísticos comuns porque com certeza há muitos outros lugares lindos nessa cidade. Meu carinho pelo Rio, contudo, é um pouco mais pessoal, gosto dessa cidade não pelas suas belezas naturais, mas por alguém de quem eu gosto muito que nasceu e vive lá e que me faz acreditar que o povo do Rio é assim, divertido, meio neurótico, bastante culto, um pouco estressado, bem-humorado, crítico, amigável e muito, muito especial. E pra mim o Rio é isso: a cidade da Tati. A cidade que vai representar o meu país em um evento mundial e que, com certeza, vai me encher de orgulho por ser brasileiro.

Entretanto… No país dos contrastes, os sentimentos contrastantes me fazem lembrar que com Copa do Mundo e Olimpíadas muita festa e muita grana vão rolar… A festa a gente fará (vamos beber até cair e prometemos não dirigir depois!), mas a grana, baseado no histórico dos fins que leva o dinheiro público, como ficará?

Anúncios