Ser ou não ser barriga verde?

27 01 2010

Barriga verde é uma das formas que você pode usar para se referir a uma pessoa que nasceu em Santa Catarina. Não me pergunte o motivo, só sei que é assim…

No sul existe um estado com o setor industrial bastante forte (Rio Grande do Sul) e um com o setor agrícola que se destaca (o Paraná). Em um cenário desses falta alguém pra fazer festa, né? E é aí que entram os catarinenses!

Ok, ok, nem só de festas vivem os catarinenses, o estado tem um parque industrial bem diversificado e a agropecuária também é bastante forte. Entretanto, o grande diferencial de Santa Catarina são os atrativos turísticos. Pra meu azar eu estou próximo da região oeste do estado, também chamada de “velho oeste” (acredite, esse apelido da região não é mera coincidência), as festas estão mais próximas do litoral…

Sabendo do potencial turístico, o estado investiu em um projeto bem legal chamado de “Portais do Lazer”. Nas cidades da fronteira existem locais onde você tem acesso a informações sobre os melhores pontos turísticos do estado. Algumas das pessoas que trabalham nesses lugares precisam de mais treinamento, mas os mapas são bem fáceis de entender.

A melhor época para visitar o estado, sem dúvida, é o mês de outubro. Nesse mês você pode entrar no circuito das festas: Oktoberfet, em Blumenau (maior festa típica do país que, no quesito “festa popular” só perde para o carnaval); Fenarreco, em Brusque; Bananenfest, em Corupá; Schützenfest, em Jaraguá do Sul; Marejada, em Itajaí; Fenaostra em Florianópolis e eu provavelmente esqueci de alguma, porque são várias! Sem contar que nessa época o movimento no Beto Carrero World ainda não é tão intenso e fica mais fácil conhecer todo o parque e se divertir naqueles brinquedos sensacionais (o parque é incrível, vale muito a pena!).

Quem gosta do frio pode ir se congelar em São Joaquim no inverno (com boas chances de ver neve) ou pode ir pra festa (outra!) do pinhão em Lages.

Dizem que os finais de ano são excelentes em Floripa e que, se não fosse por divergências políticas, o Reveillon de Floripa deste ano ficaria no páreo com o de Copacabana. Eu passei o Natal em Chapecó (no oeste), a decoração da cidade estava incrível e, pra ninguém reclamar de que não tinha festa, todas as noites (sim, TODAS!) tinha algum show na cidade (tudo ‘de grátis’).

Alguma dúvida de que os catarinenses sabem como se divertir?





Ser ou não ser gaúcho?

21 01 2010

Pergunte a um gaúcho se ele tem orgulho de ser brasileiro e ele provavelmente te responderá: “Eu tenho orgulho de ser gaúcho!” Não vou discorrer sobre eles estarem certos ou não em pensarem dessa maneira, mas a verdade é que eles têm história e, mais que isso, a valorizam. A maioria dos heróis brasileiros e seus atos foram forjados (Tiradentes ou o grito da independência, por exemplo), o mesmo não se pode dizer dos heróis gaúchos.

Mas, independente desse bairrismo tão acentuado nesse estado, a forma como o povo gaúcho recebe os visitantes é incrível. Extremamente amistosos e cordiais, são simpáticos até quando você para na rua pra pedir informações. Outra característica que chama a atenção é a beleza das pessoas. O Rio Grande do Sul é o estado com a maior concentração de pessoas bonitas que eu já vi. Bonitos e simpáticos, quer algo mais? Eu te dou algo mais: são extremamente cultos. O que não é de se espantar, uma vez que eles conhecem muito bem a própria história e se orgulham disso.

A cidade mais antiga do Rio Grande do Sul é chamada de Rio Grande. Fica bem ao sul (na pontinha do “rabo” do estado). É uma cidade que, em alguns aspectos, pode parecer feia mas, acredite, é um lugar que vale a pena ser visitado. Se não pela arquitetura, pela praia do Cassino (a maior praia do mundo). Do centro você também pode pegar uma lotação que atravessa a Lagoa dos Patos por uma balsa e te leva do outro lado por pouco mais de dois reais. E do outro lado você encontra vários restaurantes com comida bem em conta. Outra cidade bem interessante é Bento Gonçalves. É uma cidade de porte médio onde a cultura italiana é bastante forte. Além de todos os atrativos turísticos, a cidade fica em uma região muito bonita na serra gaúcha. As paisagens são incríveis! Uma atração de Bento Gonçalves é o passeio de Maria Fumaça que passa por Garibaldi e Carlos Barbosa. Indispensável! Se isso ainda não te interessou, talvez os melhores vinhos do país te interessem. E o legal é que você pode visitar as vinícolas da região e, de quebra, experimentar (“de grátis”) os vinhos lá produzidos. Duvido que você saia de lá sem levar algumas garrafas (o preço é tão baixo que seria uma afronta não levar). E quem gosta de história não pode deixar de conhecer a região dos Sete Povos das Missões, no extremo oeste do estado. Uma região que demorou a se consolidar como território de Portugal e que abrigou reduções de indígenas que fugiram do Paraná quando os bandeirantes, em busca de índios para escravizar, destruíram as reduções paranaenses. Fotos nas ruínas de São Miguel ficariam ótimas no álbum do orkut.

Uma curiosidade que interessa à comunidade GLS e que poucas pessoas sabem é que desde 2004 os cartórios do Rio Grande do Sul podem registrar a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Na realidade esse registro só pode ser feito se for comprovada que a relação já existe há algum tempo, mas isso não tira o mérito dos gaúchos, não é mesmo?

Se você quer conhecer um pouco mais sobre esse povo e sua história, tente ler “O Uraguai” de Basílio da Gama (leitura difícil que narra os conflitos da região de Sete Povos das Missões) ou “A Casa das Sete Mulheres” que foi escrito pela gaúcha Letícia Wierzchowski e que ganhou uma adaptação para TV em 2003. A história da Revolução Farroupilha certamente foi uma das melhores produções da Rede Globo, embora tenha pecado por modificar alguns fatos históricos na tentativa de agradar ao público. De toda maneira, não deixe de vistar o Rio Grande do Sul quando tiver oportunidade, garanto que você não se arrependerá!





Coluna ‘Enfim Sós’ – E o Rio de Janeiro, continua lindo???

19 01 2010

Sim, amiguinhos, voltei! Aproveitei o recesso de final de ano e me dei um descanso de todas as obrigações não relacionadas ao trabalho, até porque eu também sou filha do Homem, né mesmo?!

Mas agora estou de volta e prometo me esforçar ao máximo para manter minha coluna atualizada semanalmente (faz parte das minhas resoluções para 2010!). Conto com a ajuda do meu fiel companheiro de destilaria para manter vocês interessados e encher esse blog de venenos deliciosos.

Porém, já começo o ano quebrando a rotina e pedindo para vocês um minutinho de atenção para o desabafo de uma carioca revoltada com a situação de segurança da cidade do Rio de Janeiro.

Esse mês, tive uma notícia terrível: um amigo de infância morreu depois de levar um tiro no peito na saída de uma casa de festas na zona norte do Rio. Quando a minha prima veio me contar o que tinha acontecido, eu nem acreditei, porque tinha ouvido naquela manhã a notícia do tiroteio e lidei com aquela informação como a maioria das pessoas fazem: ‘que merda, né?! Mas isso foi na Penha, não vai acontecer comigo’.

O problema é que aconteceu, não comigo, mas com alguém que eu conheço. O que mais me enojou nessa situação é que eu, como a maioria dos cariocas, sou tão apática que foi necessário um amigo de infância morrer para eu me revoltar com o problema de segurança do Rio de Janeiro.

Só nos últimos dois meses, já fui quase assaltada 3 vezes e achava que isso era normal, que eram conseqüências dessa época no do ano. Normal o que, cara pálida? Desde quando é normal ter que andar pela cidade onde moro em estado de pânico, olhando por todos os lados à espera de algum marginal brotar do chão para tentar me assaltar? Não fosse esse comportamento ‘sempre-alerta’, eu com certeza tinha rodado na mão dos motoqueiros que tentaram fechar o meu carro na volta da pós, ou do trombadinha que tentou me assaltar quando desci do ônibus na volta do trabalho, ou até mesmo dos também motoqueiros que seguiram meu carro na entrada da Grajaú-Jacarépaguá.

As pessoas estão dizendo que esse aumento da violência nas ruas é conseqüência do plano de pacificação dos morros. A lógica é simples, como o governo está tentando acabar com o tráfico de drogas nas comunidades, os marginais têm que arranjar outra forma de ganhar dinheiro, ou seja, descem todos para as ruas e escrotizam os cidadãos de bem. Resultado? Os cariocas estão começando a ser contra o projeto do governo.

Agora eu me pergunto, é pra deixar como está e não fazer nada? Vamos conviver pacificamente com os marginais e rezar para eles não decidirem tomar conta da cidade? Por outro lado, a ação de pacificação vai custar a vida de mais quantas pessoas? Eu realmente não sei a resposta para essas perguntas, eu só fico puta é com a apatia de todos em relação ao cenário caótico em que nossa cidade se encontra.

Ontem mesmo mais uma conhecida sofreu um seqüestro relâmpago… E a classe média, formadora de opinião e politicamente engajada no Twitter só sabe atacar os serviços do Metrô RioO que é mais importante para o carioca: chegar mais cedo ou chegar vivo em casa?

Tenho certeza que os amigos e a família do Marcelo sabem essa resposta. O filhinho dele de dois anos também vai saber quando tiver idade suficiente para opinar.





Ser ou não ser do sul?

17 01 2010

Não sei ao certo como isso começou, mas desde que me entendo por gente tenho esse sentimento especial pelo sul. Embora eu tenha nascido no Paraná, a região onde vivi (na fronteira com Santa Catarina) foi colonizada essencialmente por gaúchos, portanto, meu amor por cada um desses três estados é o mesmo.

Talvez eu seja um pouco bairrista, mas acho pouco provável que uma pessoa que realmente ame a sua terra não seja. O separatismo é um sentimento bastante forte por aqui e, confesso, já concordei com a idéia. Mudei de opinião depois de conhecer a fundo a história do nosso país, mas dificilmente alguém vai me fazer deixar de ter Bento Gonçalves como um dos meus maiores heróis (sem levar em consideração o Batman, o Homem-Aranha e os Cavaleiros do Zodíaco, claro).

Nos últimos 30 dias estive perambulando pelo Rio Grande do Sul e por Santa Catarina e pude, além de rever, conhecer vários lugares incríveis desses dois estados. Durante a semana vou tentar colocar aqui tudo o que eu vi e que me chamou a atenção, assim, se alguém pretende vir ao sul algum dia, terá uma idéia (meio tendenciosa, é verdade) do que poderá encontrar.





Ser ou não ser folgado?

14 01 2010

Quanto tempo sem atualizar o Blog… E quanto tempo sem ler os meus blogs favoritos! O povo andou trabalhando bastante enquanto eu estive fora. Sei que ninguém perguntou por onde eu andei nos últimos 30 dias, mas vou contar tudo detalhadamente nos próximos dias porque o sul do país é um lugar muito divertido!

Hoje vou falar de férias! Pela primeira vez em 7 anos posso dizer que minhas férias coincidiram com o verão. E o melhor de tudo é que elas estão apenas começando! A gente sempre planeja fazer um zilhão de coisas nesse período de folga e certamente não foi diferente comigo. Depois de quase quatro anos sem folga, percebi que estava bem desatualizado sobre o mundo dos entretenimentos. A primeira coisa que eu fiz foi procurar uma lista com os melhores filmes dos últimos dois anos. Imaginem a minha cara de surpresa/felicidade quando descobri que o Exterminador do Futuro ganhou outra continuação! Também descobri que vampiros estão na moda. Legal! Sempre gostei de vampiros. Tinha prometido que não pegaria livros na mão durante esses dias, mas não poderei cumprir essa promessa porque eu ainda preciso ler o último livro do Harry Potter. E também quero terminar de ler “O Universo Numa Casca de Noz” e preciso continuar a minha saga desbravando os segredos da Bíblia (acreditem, o Antigo Testamento é muito divertido! Se você gosta de ação, aventura, sexo e violência, a Bíblia é pra você!). Sem contar todos os mangás que tive que parar de ler (já comprei mais de 20 volumes pra ler nas férias).

Mas o principal é que pretendo atualizar o Blog com mais frequência nesses dias, então, vamos voltar a reclamar da vida, porque felicidade demais enche o saco!