Coluna ‘Enfim, sós’ – Visita da minha filha canina

29 06 2009

new_baby_by_nothing_unusual

Além de estar contando os dias para a volta da minha faxineira, também estou contando os dias para visita da minha filhinha canina. Ela vai passar 15 dias lá em casa enquanto minha mãe faz a viagem dos meus sonhos: Paris!

Quando me casei e mudei, deixei na casa da minha mãe meu tesouro de quatro patas. Meus planos eram levá-la comigo, mas a veterinária proibiu. Realmente seria uma sacanagem tirá-la de uma casa com quintal pra colocá-la morando em um apartamento pequeno, sem falar na paixão arrebatadora que ela sente pela minha mãe (separá-las ia ser ‘uó’).

Nunca esqueço de como eu ganhei a Nina Maria (sim, o nome da minha filha é composto, ela é muito chique, ta?!). Meu vizinho / amigo de infância tinha uma daquelas cadelas vira-latas bem piranhas, sabe? Por mais que ele a prendesse, não tinha jeito, ela pulava o muro e estava sempre prenha. A minha bonequinha veio, literalmente, de uma dessas puladas de muro. Muito puto da vida, ele acabou me convencendo a pegar um filhote da ninhada de 9 cachorrinhos que tinha nascido.

Depois de três meses necessários para desmamar, lá fui eu buscar meu filhote prometido. Tinha escolhido um macho branquinho, todo bonitinho, mas quando cheguei na casa do meu amigo, mudei de idéia ao ver a vira-latinha tricolor bagunceira que tava perturbando os outros filhotes. Não tive dúvidas, resolvi levá-la no lugar do branquinho.

Impressionante como a gente se apaixona loucamente por eles. Nem meu Ogro resistiu aos encantos de Nina Maria. Na primeira ida ao veterinário, ele foi comigo (a levamos dentro de uma caixinha de sapatos). A recepcionista começou a preencher o formulário, perguntando: ‘Qual é o nome da mãe?‘ Eu falei: Tati. Depois, ela perguntou:  ‘E o nome do pai?‘ Ele respondeu prontamente: Ogro.

Hoje em dia, Nina Maria tem 3 anos e é a vira-lata mais perua que existe. Já aprontou tanto quanto o Marley quando era mais novinha, mas hoje, além de algumas rebeldias, se comporta como uma lady. Mas também sempre foi tratada com todos os dengos: come das melhores e mais caras rações, faz unha e cabelo no pet-shop de 15 em 15 dias, tem visita periódica da veterinária e tem tanto brinquedo quanto muita criança por ai.

Às vezes acho que nossos cuidados com ela beiram a frescura, por exemplo, meu pai quer mandar colocar redes de proteção na nossa área de serviços, pra ela não se jogar lá de cima nos 15 dias que ficará conosco. Detalhe: Nina Maria tem o porte de um poodle pequeno e o muro da minha área bate na altura do meu peito (tenho um 1,70m).

O pior é que não tenho moral pra reclamar, porque eu mesma exagero (a maioria dos brinquedos dela fui eu que dei =D )… Mas que eu posso fazer? Sou louca pela minha filhinha canina.

Anúncios




Ser ou não ser a diferença?

24 06 2009

mudancaSemana passada eu estava realmente irritado com o mundo (com a sociedade brasileira, pra ser mais exato) e então resolvi refletir sobre a situação e sobre minhas atitudes para melhorá-la. Afinal, não existe nada de errado em não estar satisfeito com uma situação, só não podemos deixar de nos perguntar o que estamos fazendo para mudá-la. 

 Meu balanço:

 – Não gosto de gente burra: Tô me instruindo! E incentivo os que estão perto a fazerem o mesmo!

– Não gosto de assassinatos na parada gay: Não participo e incentivo a não participarem.

– Não gosto de políticos corruptos: Não voto neles. (Em quem eu voto? Use sua imaginação…)

– Não gosto do Super Pop: Assisto a TV Escola (aproveito e me instruo).

– Não gosto de teorias sobre o fim do mundo: Sou agnóstico.

– Não gosto da cultura machista: Incentivo a Tati a não passar as camisas sociais do marido.

– Não gosto de gente que joga lixo no chão: Não jogo lixo no chão. E incentivo quem está perto a fazer o mesmo.

– Não gosto do preconceito contra gays: Finjo que sou heterossexual.

 Como dá trabalho mudar o mundo!

E você, o quê está fazendo para me ajudar?

– Não gosto de pessoas que não me ajudam a mudar o mundo!





Coluna ‘Enfim, sós’ – Como educar um Ogro

22 06 2009

ogro

Ofereço o post de hoje para minhas amigas voyeres que tanto se revoltaram com o meu último desabafo ‘Amélia é que era uma fdp’. Elas me inspiraram a fazer um tratamento de choque com meu marido Ogro para ele começar a dividir comigo as tarefas do dia-a-dia.

A experiência rendeu um aprendizado grande na arte de como lidar com Ogros. Por isso, achei importante dividir o que aprendi com as minhas amigas voyeres que sofrem com os mesmos problemas. Organizei aqui o conhecimento adquirido em 3 dicas que ajudarão vocês a educar seus Ogrinhos em casa:

Dica nº 1 – Seja franca, divida sua insatisfação:

Os Ogros são criaturas perfeitamente capazes de entender nossa angústia, o problema é que eles não são muito sensíveis. Nunca espere que eles ‘percebam’ por conta própria que há um problema. Você precisa falar, com todas as letras, o que a está chateando, se necessário desenhe.

Dica nº 2 – Faça o Ogro se comprometer:

Não adianta apenas fazê-lo entender o problema, é preciso conseguir que ele se comprometa a colaborar. Cuidado para não ser enrolada, eles conseguem mudar o foco com muita facilidade. Minha experiência pessoal diz que contrato oral não adianta, meu conselho é fazê-lo assinar um termo de compromisso (a digital do polegar direito já é suficiente).

Dica nº 3 – Ameace:

O Ogros são criaturas volúveis e manipuladoras. Eles mudam com facilidade promessas e conseguem argumentos que defendam sua preguiça. Não adianta mostrar o termo de compromisso assinado (ajuda, mas não adianta). Por isso, não meça as ameaças. Use todos os recursos de sua mente venenosa. Vale tudo nessa hora, mas, pasmem, a ameaça que tem melhores resultados é a greve da Amélia na hora do almoço: se recuse a fazer qualquer coisa se ele não levantar a bunda do sofá. Se possível, faça exatamente o que ele estiver fazendo (se ele estiver assistindo o futebol, abra uma cerveja e assista junto com ele). Largar calcinhas do mesmo modo que eles largam as cuecas funciona muito bem também.

Por fim, se nada disso der certo, faça o eu fiz nesse final de semana: arme um barraco daqueles. Desça do salto sem dó nem piedade (eu joguei na pia a macarronada que estava servindo na mesa). E se eles te mandarem para a pqp, siga o conselho e vá para casa da sua mãe. Garanto que quando você voltar, estará tudo limpinho esperando por você.

E o Ogro? Devidamente adestrado e morrendo de medo da esposa enlouquecida.





Ser ou não ser brasileiro?

18 06 2009

para o blog

Adorei o último post da Tati (‘Amélia é que era uma fdp’)! Sabe que o texto ‘Machismo na França’ da nossa correspondente venenosa, Amanda, também me deixou puto? Li esse post à noite e passei o dia inteiro seguinte pensando no que ela escreveu, não só sobre as pessoas dividirem tarefas domésticas, mas sobre os valores que essas civilizações mais desenvolvidas têm (não trair, não dar cantadas grotescas) que nós não temos. Quando eu penso nisso me dá vergonha de ser brasileiro…

Tô puto também com o que aconteceu na parada gay! Não que eu goste da parada em si, não tenho uma opinião formada sobre o assunto, mas explodir bombas ou quase matar um cara a chutes é muita ignorância! Se você não gosta de gays, pelo menos pense no dinheiro que eles estão deixando na tua cidade!

E naquela mesma noite, a TV estava ligada no programa Super Pop (écowpt!) e acabei assistindo a uma discussão sobre o fim do mundo em 2012. Eu parei para ver os absurdos que o povo dizia e o que mais me impressionou foi que o entrevistado, um cético que questionava o que estavam dizendo, foi “detonado“. Eu fiquei puto! Pessoas falando absurdos sem nenhum fundamento científico sendo aplaudidas enquanto um cara realista era vaiado e chamado de mal-educado pela apresentadora? Hello-ôw!!!! O Brasil definitivamente merece ser o que é…

Nossa como eu tô puto! Quero ir embora!





Coluna ‘Enfim Sós’ – Amélia é que era uma fdp!

17 06 2009

Housewife_by_woahhhitsamanda

O novo post ‘Machismo na França, escrito pela nossa correspondente venenosa, Amanda, em seu blog ‘Petit Journal de la Porte Dorée’, me causou insônia ontem. Na verdade, o que aconteceu foi que durante todo o dia agitado que eu tive ele ficou guardadinho no meu inconsciente e só se manifestou no momento em que eu deitei minha cabecinha linda e loira no travesseiro.

Foi naquele momento que as declarações ‘os homens franceses fazem tarefas domésticas… Eles limpam a casa, lavam a roupa, fazem comida, tanto quanto a mulher’ e ‘Aqui não tem essa historia de ‘dupla jornada’ feminina não’ me deixaram fula da vida por ter nascido brasileira e burra. Sim, meus amigos voyeres, burra! Porque até eu começar a matutar essas declarações, eu estava satisfeita e contente por ter dado conta de uma imensa quantidade de roupas para passar, que tinham se acumulado no feriado, em tempo de ter 5 horas de sono (deitei às 2 da manhã). Eu não estava nem puta por ter ficado com bolhas d’água na mão e dor nas costas.

Sou ou não sou uma besta quadrada? Enquanto eu me acabava na tábua de passar, meu digníssimo marido Ogro já estava no seu vigésimo sono e, inclusive, não queria ser perturbado no quarto, portanto, eu que guardasse as roupas na pontinha do pé.

Pensem comigo: trabalho tanto ou mais que ele e estudo à noite a mesma quantidade de horas que ele. Por que, então, a tarefa de passar aquela quantidade enorme de roupa não foi dividida irmãmente? Se a gente ficasse responsável cada um por sua roupa já seria um adianto danado. As camisas sociais dele são ‘’ para passar, quando você termina um lado, a porra do outro lado já ta todo amassado. Um inferno!

O mesmo vale pra faxina e pra comida. Passo minhas sagradas horas do final de semana que nem uma Amélia, me dividindo entre o fogão e o esfregão. O máximo que ele faz, mesmo assim no tempo dele (que é sempre depois de algum jogo de futebol), é estender uma roupa e secar o banheiro. E vamos combinar que isso num dá trabalho nenhum, kct!

Enfim, sou uma burra e a sociedade brasileira é escrota toda vida. Porque se eu começar a fazer escândalo exigindo direitos iguais dentro de casa e me recusando a levantar da cama em tempo pra arranjar o almoço do Ogro, eu vou ser taxada de preguiçosa que não cuida do marido direito. ‘Quê que tem fazer uma faxininha e passar uma roupinha enquanto sua faxineira de uma vez na semana está de férias?’, minha mãe me pergunta. Até minha ‘pópria’ mãe fica contra mim… E o Ogro repetindo animadamente o que a vovó dizia pra ele: ‘Em casa que tem mulher, homem não trabalha!’.

Tô lascada mesmo, só Jesus na minha vida!





Ser ou não ser um insatisfeito?

12 06 2009

Valentines__by_Misantropia 
Dia dos namorados…

Casais apaixonados trocando presentes e tudo mais enquanto eu me pergunto: por que eu não tenho um(a) namorado(a)? Eu tinha várias teorias: não sou atraente, não tenho um carro com rodas bonitas, não tenho dinheiro etc. Contudo, há duas semanas um amigo me disse que o problema é que eu não aceito ninguém que não seja “perfeito”. Tentei argumentar a meu favor, mas a teoria dele definitivamente tinha fundamento…

O dilema aqui é que eu não estou disposto a mudar a minha definição de “perfeição” para um possível relacionamento afetivo. E a definição de pessoa perfeita que eu uso vem de um outro amigo: “tem que ser alguém que me atraia sexualmente e, principalmente, alguém com quem eu goste de conversar porque a maior parte do tempo estaremos conversando e não fazendo sexo”. Só dois pré-requisitos! Nem quero tanto… Não tenho culpa se essas pessoas quase não existem… E quando existem ou são homens heterossexuais ou são mulheres casadas…

O fato é que estar com alguém exige tempo e dedicação. Dá muito trabalho! Se não for pra ser com alguém legal, pra quê gastar tempo e energia com isso quando existe tanto pra ser feito por nós mesmos? (ficar rico, por exemplo).

De toda maneira, com ou sem presentes, espero que todos tenham um excelente dia dos namorados!





Destilando Veneno no 2º Luluzinha Camp RJ

10 06 2009

lulucamprj2 

Amigos voyeres, sábado passado o Destilando Veneno esteve presente na 2ª edição do Luluzinha Camp RJ. Sei que a notícia já ta meio velhinha, principalmente em tempos de Twitter, mas essa que vos fala anda mais enrolada que carretel e só teve tempo de escrever esse post hoje, tá?! Portanto, relevem!

Voltando ao assunto, o Luluzinha Camp é um encontro de mulheres blogueiras e ‘interneteiras’ que está em sua segunda edição no Rio de Janeiro, mas acontece também em vários estados do Brasil. A idéia do encontro é ser um club da luluzinha do mundo online, onde a mulherada se reúne para trocar informações e se divertir.

A reunião do Rio teve oficinas de prática de yôga, bate-papo sobre web, aula prática de automaquiagem e aula de scrapbooking. Mas o que a gente mais gostou mesmo foi dos presentinhos, porque nós ‘semo pobre mermo’ e amamos ganhar brindes! O Leonardo é que morreu de inveja por não ter ido, mas ele tá todo errado, tadinho. Mesmo que estivesse no Rio no sábado, ia ser barrado, porque homem não entra! Num é ‘timais’?!

Vejam aqui as fotos do evento.